o lugar dos avessos

Lugar comum.
Gente comum.
Senso além do comum.
Existe conforto nos lugares de sempre, nos rostos frequentes, nos dias que se sucedem iguais, no fluir do tempo sem novidade. Pela manutenção dos dias comuns há que agarrar forte, com as duas mãos, as regularidades do quotidiano, fincar os pés em terra usada, negar sempre o prazer da estreia.
Cópia perpétua, mil folhas de papel químico, onde o tempo se faz ausente, consumido pela sucessão ordeira de dias banais, prendadas colecções de cromos repetidos, uns e outros disputam entre si o prémio do dia mais corriqueiro.
Assim sucessiva e eternamente uma semana engolirá a outra, o mês esticar-se-á para lá do próximo, pelas doze badaladas mais um ano surgirá, frágil sopro de ar novo, tão rapidamente será extinto.
O que temem os homens e as mulheres comuns? porque evitam desenhar com lápis novo as suas paisagens? porque hesitam inscrever-se no seu tempo? porque limpam todas as marcas, apagam todos os vestígios? porque se limitam à invisibilidade? porque se deixam embalar pelo lado dormente da vida?
Justificações, milhares de impeditivos, e outros tantos justificativos, ora são os filhos, ora são os sarilhos, ora é a chuva, ora é o frio! O homem comum e a mulher banal são verdadeiros prodígios quando argumentam para sustentar os seus vícios.
Tradições, aniversários, comemorações, mil e muitas celebrações impostas pela cadência do calendário, ocos preceitos, rituais repetidos até à exaustão sobre os quais já ninguém lembra o sentido.
O movimento colectivo, inconscientemente organizado, pela massa humana que se reúne em torno da banalidade dos dias, constitui-se como um espectáculo em contínuo, ao qual assistem eufóricos aqueles que lhe moldam o destino! Como se regozijam com os proveitos das suas contendas, tudo corre perfeito, tudo está no lugar certo! o homem comum e a senhora banal jamais ousarão decidir o rumo dos seus caminhos. maravilhosas criaturas, jeitosas e adestradas marionetas.
como é profundamente trágica a letargia provocada pelo receio de arriscar conhecer o avesso dos lugares!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *