Month: April 2017

mundo desfocado por cima das nossas cabeças

  3 de janeiro, é domingo em Sucupira

Read More

Onde estás 25 de Abril?

Esta é a tua morada Mas não te encontro Onde te escondes ABRIL? Em que lugar Te perdeste? Em que sórdidos enredos Te deixaste entorpecer? Parte de mim vacila ante o trágico homicídio dos teus projetos de democracia, mas não hesito, continuo a viagem, sigo com tenacidade e coragem, não há obstáculos que me façam […]

Read More

danados projetos

a prática artística acontece, não necessita de autorização ou carta de alforria. danados projetos, como é valente a curadoria do povo, como é ilustre o patrocínio da sua entrega desprendida. inesquecível o conforto do abrigo, abraço quente e genuíno, arrojada a coragem da instituição dos que ousam dar a mão. ato supremo de liberdade! arte […]

Read More

Prova de Vida

Prova de vida 25 de janeiro de 2016, 10h11 dia seguinte à eleição de Marcelo para Presidente da República embaixada portuguesa em Cabo Verde, sala de espera achada de santo antónio cidade da Praia Santiago De novo na Embaixada, ontem vim cá para votar, hoje venho para certificar papéis e contratos. Encontro uma quantidade considerável […]

Read More

In.sol.ven.te

Que ou a pessoa que não tem com que pagar o que deve. Vidas insolventes derramadas nos “classificados” do jornal, tragédias individuais meticulosamente talhadas, simples detalhes de uma ambiciosa agenda de transformação social, é a crise senhores, é a crise! Estas “vidas” de onde se eclipsou o poder financeiro para pagarem o que devem, são […]

Read More

apontamentos do avesso

landshape 01. As ruas estão vestidas de paredes do avesso, consumidas de sol, riscadas de vento. As portas entreabertas baralham os sentidos, dentro está apenas o que não cabe cá fora. Corredores fundos atravessam a morada, de um lado os quartos, do outro as salas. Planta simples, lugares comuns, onde corre a brisa dos afectos. […]

Read More

economia bidão [qualquer lugar se faz mercado]

economia bidon cabe tudo dentro de um bidon amarfanhando, enrolando, amachucando, ajeitando até atingir o vácuo amontoam-se vestígios de identidades várias prontos a usar para remendar outros cenários no bidon cabem os despojos de vidas que se expõem na soleira dos mercados sangue azul, doses vitais alimentam sucessivas fragilidades materiais etiquetas agarradas a peças jamais […]

Read More