Month: February 2018

Não gosto de paisagens postais!

linha de tempo, escrevinhada com caneta de feltro, de sucupira até somada! [registos gráficos em deslocação, serpenteando as curvas humanas da paisagem] Não me agradam os postais Não aprecio a paisagem muda que guardam Não gosto de imagens sem cheiro! Não gosto de retalhos! Gosto de mergulhar os pés na água Gosto de me entrelaçar […]

Read More

Impermanência geográfica induzida, ao serviço da implosão [espetacular] da sociedade civil!

Impermanências Geográficas No final dos anos oitenta e início dos anos noventa, os acontecimentos políticos conduziram a uma desintegração da ordem mundial (…) A ordem anteriormente vigente está a ser substituída por tendências de globalização, com efeitos em todo o mundo, causando o surgimento de novas cartografias mentais e assim exigindo sistemas de coordenadas radicalmente […]

Read More

Palavras escritas em voz alta!

Privatizaram as estantes de sol na Cidade Alta privatizaram o mar, o céu e as estrelas e o povo angolano entrou na escuridão mercadológica a morder os frutos da zunga e a fugir porrada da polícia com uma mão na frente e outra atrás do sonho que privatizaram. (“Privatizaram os Monumentos”, José Luís Mendonça) Fala […]

Read More