lavra incandescente

proposta: calcorrear solo criativo
desafio: apreciar a lavra incandescente

Lavra Incandescente é parte de um imenso processo criativo, que decorre entre leituras, ritmos, geo.grafias, rostos e tempo… tempo para questionar, tempo para dedicar à observação e compreensão da sensibilidade que ferve a Terra.

geo.grafia

chã das caldeiras, tchon de pove

leituras

Chão do povo chão de pedra!
O sol ferve-te o sol no sangue
E ferve-me o sangue no peito
Como o fogo e a pedra no vulcão do Fogo


Corsino Fortes, Tchon de pove tchon de pedra

chão de povo, chão de pedra recém-nascida

impressões incandescentes, sobre (o) chão de pedra

ritmos

da terra recém-nascida brota uma atração, estranha
o povo aguerrido, vigia o tempo incandescente, reclama o chão
o sangue dita a urgência de voltar à lav(r)a afoita

paisagem circular, tempo incandescente


a pedra desarrumada é a morada que ferve no peito
a paisagem circular, revestida de um áspero negrume,
é lar, funco, matéria de habitar, talhada a sol e Fogo


o lar que ferve no peito

a céu-aberto, com os pés fincados no vulcão
o povo, na sua magistral existência,
aprecia e celebra a eloquência de cada instante,
que decorre,
entre uma e outra erupção

tempo

lavra incandescente
funcos de breu sobre chão ermo

o breu jamais será negro o suficiente
o ermo jamais será desolado o bastante
para suspender a atração
o ar rarefeito alimenta a vertigem
do povo que ousa enamorar-se de um vulcão

a bravura lima as arestas da paisagem
a constância faz piruetas sobre as ruínas
o sangue, incandescente, abre diálogos no chão

conversas e crateras

Domingo

Quando por fim! a festa era só
Sono do soldado no sobrado + balir da cabra no telhado
Sol & vulcão erguem-se
com umbigos & crateras
com tatuagens & cicatrizes
Assim! paranóica abstracta na sua pedra de pintura
E lavra
O seu protesto E o seu retrato
Que vai! Que vem
Da velhice de nascença ao poente da infância…
E diz
o olho da cabra sobre o olho da terra
Como é belo o fogo! da flor da secura

Corsino Fortes
Domingo
Litografias para as festas de São Filipe,
Segundo Manuel Figueira e Luísa Queirós Figueira

tempo circular
diálogos no chão
lugares talhados a ferro & fogo

Lavra Incandescente
Antónia Marques
outubro, 2021

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *