Author: Antonia Marques

Festival Literário Morabeza

Morabeza(mais uma) festa da literatura de propaganda! O ícone lusófono é difícil de entender para as pessoas de fora da tradição transatlântica, e, à primeira vista, nem parece representar a Santíssima Trindade. A cena central do ícone vem da Companhia dos Livros (outrora Booktailors), quando Abraão recebe três estranhos em sua tenda:“O Senhor apareceu a […]

Read More

Silêncio Grande na Achada

a chuvamamãe velhanum sopro virou lama, a chuva que há tanto tempo não batia assim,é alegria é agonia,é tempestade que não virou bonança,é aflição que faz bater forte o coração! [d’après Regresso, de Amílcar Cabral] o silêncio da achada é grande,terá a população, lá da frenteencontrado forma de governar a vida?oua outrora ruidosa difusãode suas agrurasterá […]

Read More

Cooperações dramáticas

das burlescas ações de campanha eleitoralaquém e além-mar o desempenho de graça fonseca, e seus parceiros de palco,foi medíocre (como sempre)o público, silenciosamente derrotado,aplaudiu mecanicamente,há muito não vê um genuíno espectáculo! sobre o acordo – o da cooperação assinada a várias mãos,não se conhece a dimensãonão se desvendou o mistério da (sua) criaçãonão se divulgaram critérios […]

Read More

do Fogo ao Inferno

Giovani nunca mais escreverá a seus pais! [singela homenagem ao jovem que deixou em Cabo Verde o Fogo e encontrou em Portugal o Inferno] “Os pais prepararam o menino para embarcar com antecedência, nos fins de setembro. Tinha que fazer matrícula, pagar propinas e alugar quarto onde pudesse estudar à noite sem restrição de luz. Na […]

Read More

Luso-hipocrisia

“ÁFRICA CONTINUA A SER UMA PRIORIDADE PARA A COOPERAÇÃO PORTUGUESA”disseLuís Faro RamosPresidente do Instituto Camões(tutelado pelo Sr. Santos – o ministro perpétuo) Nesta, como em tantas outras entrevistas, deixou por dizer quanto rende à prole do Camões esta abnegada filantropia! um dia, não muito distante,a real história destas co-operações será alvo de debates e intrigas mediáticas.nesse dia,não muito distante,uns confessar-se-ãoespantados,outros,com veemência […]

Read More

a criação partilhada

Os instantes de criação partilhada,  graves, largos, moderatos, allegros ou prestissimos contribuem para a criação de linhas melódicas que dão sentido ao tempo. Orientar a sua elaboração é inadiável!   Iluminar os processos criativos, experimentar metodologias de trabalho alternativas, agir e criar em prol dos valores e humanismo que a sensibilidade transporta, são objetivos centrais das […]

Read More

Planos Matryoshka

Planos Matryoshka! [o chapéu de Graça Fonseca] [intro] São inúmeros os surtos psicóticos, de papelada estéril, deliberadamente concebidos pela tutela para aniquilarem as reais funções da escola. Os planos de salvação nacional, onde se incluem o da leitura, do cinema, da educação estética e artística, das bibliotecas escolares e, mais recentemente, das artes, são a […]

Read More

No colo do vulcão

é de génio e fibra essa gente do Fogo, que teima viver no colo do vulcão. será loucura ou amor puro, prezar viver na caldeira onde ferve a próxima eclosão? não é anarquia, é estado  esse lugar derramado em permanente re-bulição chão culto e elevado, sobrevivente, parente próximo das nuvens,  riscado pela agreste lava recém-vertida, […]

Read More

O orçamento da família cultural de Costa

a propósito da “família cultural” de António Costa! “Centenas de intelectuais unem-se em manifesto de apoio a António Costa – Mais do que apoiar a candidatura do actual presidente da Câmara de Lisboa ao lugar de secretário-geral do PS, este manifesto defende que António Costa deve ser o próximo primeiro-ministro.” https://www.publico.pt/2014/07/07/politica/noticia/centenas-de-intelectuais-unemse-em-manifesto-de-apoio-a-antonio-costa-1661946 Há 5 anos atrás […]

Read More

notas, à margem de outras leituras

  as paredes são folhas notadas de cadernos insubmissos [da ilha que tem mindelo no centro] aglomerados escritos à mão, composições aleatórias em expansão sobre superfícies elevadas [da ilha que não tem casa para todos] permane.ser fincar os pés no lugar aí ficar, para escutar a terra flutuar [da ilha das estórias]   alva indisciplina, […]

Read More

(ar)riscar, desenhar a direito com linhas sinuosas

  do adro [dos verbos conjugados no passado]    (adro) do efémero [entre divergências e epicentros]   (adro) da reflexão [sobre tudo e seu contrário]   (adro) da provocação [a luz e o quotidiano]   (adro) da polissemia [os lugares múltiplos e suas estórias]   do território [humano]   (adro) da transgressão [notas soltas sobre […]

Read More

Paisagens Laboriosas

Paisagens Laboriosas [com o mar de permeio ] de Mindelo a Coculi, 2019 Paisagem Mental 1. Fragmentos de Mindelo, edição sensorial sobre múltiplos ambientes     Paisagem Mental 2. Fragmentos de Vila das Pombas, edição sensorial à beira do mar     Paisagem Mental 3. Fragmentos de Mindelo, edição informal sobre mural envelhecido     Antónia Marques Julho […]

Read More

Aula Prática de Cidadania, na EASSR

o assunto bizarro Pretende-se aqui ampliar o eco da iniciativa cidadã, empreendida no seio de uma escola pública – Escola Artística Soares do Reis (EASSR) – à data, ano letivo 2016/17, tomada por consensos autoritários e por unanimidades de conveniência! O assunto, que desencadeou uma longa novela burocrática, prende-se com uma bizarra prática interna estabelecida há […]

Read More

fincar os pés no (m)ar de Salamansa

  [ata em fio de norte, sobre areia de Salamansa]   gosto de tatear o mundo, de-vagar, com a palma das mãos e com a planta dos pés, encontro nesta predileção, desde sempre assumida com apaixonada veemência, forma de colher um imenso património sensorial – energia vital, que atribui plasticidade às recordações e textura às […]

Read More

O Perfil de Guilherme d’Oliveira Martins

  Guilherme d’Oliveira Martins, há quarenta anos a ditar o Perfil do Aluno, à saída da escolaridade obrigatória! [Coordenador do Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, por encomenda do Ministro Tiago Brandão Rodrigues] moving backwards Mais do mesmo, pelos mesmos do costume! “Quando acabar o ensino obrigatório um jovem deve ter aprendido que a formação […]

Read More

PRAÇA ESTRELA, CHÃO DE SAL E CARVÃO, TERREIRO DE SOKOLS E DEPOSIÇÃO

PRAÇA ESTRELA CHÃO DE SAL, CARVÃO, SOLKOLS E DEPOSIÇÃO divergências gráficas, do amplo livro das silenciosas memórias coletivas edição digital, sobre chão cristalizado Mindelo, Ilha de São Vicente, Cabo Verde 2019   PRAÇA ESTRELA PALCO ELEVADO, RODEADO DE MEMÓRIAS ESTAGNADAS POR TODO O LADO edição digital, sobre chão desbotado Mindelo, Ilha de São Vicente, Cabo […]

Read More

5 JULHO, DIA DA INDEPENDÊNCIA DE CABO VERDE

  Celebração Gráfica Cabo Verde 43 Anos de Independência 5. julho. 2018 Elementos gráficos utilizados na composição      “Bandeira O retângulo azul da bandeira simboliza o espaço infinito do mar e céu que envolve as ilhas. As faixas, o caminho da construção do país. O branco, a paz que se quer. O vermelho, o […]

Read More

A ÁGUA DE TODOS OS DIAS

a água de todos os dias esqueceu-se de nascer neste txon, a água de todos os dias, só chega à panela se houver quem a carregue,  em equilíbrio, no topo da cabeça, dentro de um balde ou de um bidon. [há quem diga tratar-se de tradison] em Salamansa. de Salamansa, alçados e plantas, debruados a […]

Read More

CONCILIAÇÕES GRÁFICAS [recortes de Fez, Jewish Quarter]

CONCILIAÇÕES GRÁFICAS [recortes de Fez, Jewish Quarter] dezembro de 2017 azul mar ocre solar branco cal esmaecido, assim se vestem os meus lugares preferidos! terra pálida rosa poeira tecido escarlate, forma outra de-morar conciliações gráficas [recortes de Fez, Jewish Quarter] livro, objeto para guardar a fugaz luz de inverno. [recortes de Fez, Jewish Quarter] ‘jewish […]

Read More

ATELIER (longe do) MAR

Atelier (longe do) Mar para que servem as ONGs ? [parte I] das estórias que morrem na praia após servirem de isco para uns quantos milhares de euros que alimentam o peixe graúdo. na imagem – a embarcação do desespero, aldeia piscatória de Salamansa, ilha de São Vicente, Maio de 2019. “As Organizações não Governamentais […]

Read More

O POVO DAS ILHAS QUER UMA VOZ DIFERENTE

UMA VOZ DIFERENTE [Ilhas, somos todos] O povo das ilhas quer uma voz diferente Para o povo das ilhas Uma voz sem gemidos de homens explorados Na árdua pena da sua existência Uma voz sem jovens que se alimentem Do néctar apodrecido dos sonhos importados Uma voz sem famílias retalhadas Pelos caprichos de uma globalização […]

Read More

Trompe-l’oeil – luta sindical sobre veludo escarlate

Trompe-l’oeil “Chá das Cinco” Vedetas da luta sindical sobre veludo escarlate , na Casa Presidencial, vigiados pela Sra. Assessora Alçada (Ex- Ministra da Educação). 8 de outubro de 2018 Completamente sem paciência para estrelas e vedetas que sustentam as fábulas e as Ilusões! [Trompe-l’oeil é uma técnica artística que, com truques de perspectiva, cria uma […]

Read More

RELAÇÕES PERIGOSAS / Cimeira União Africana – União Europeia, Abijan, Cote D’Ivoire, 2017

Cimeira União Africana – União Europeia Investir na juventude para um futuro sustentável [?!?!?] Abidjan, Cote D’Ivoire, 2017 Nós, cidadãos europeus de terceira (PIGS), sabemos bem o preço de cada euro que nos foi “doado” pela “União das Estrelas”, pelo que se torna imperioso perguntar – qual será o retorno de tanto euro “doado” a […]

Read More

LEOPOLDO II E AS AMPUTAÇÕES DE CHOCOLATE

Leopoldo II, Rei da Bélgica entre 1865 e 1909, foi responsável por um tremendo genocídio no Congo, onde terá morto mais de 10 milhões de pessoas! Um dos crimes mais hediondos que praticou foi a amputação sistemática de mãos, à qual submetia os homens, mulheres e seus filhos, todos convertidos em escravos, ao serviço da […]

Read More

A JUVENTUDE QUE FALTA

O envelhecimento da população europeia é fácil de aferir em gráficos e dados estatísticos, acessível também, é a sua percepção no terreno, em tempo real. A ausência de uma juventude expressiva, em atitude e em número, tem consequências insondáveis! A real maleita de que padece a Europa é, de facto, a falta de uma “renovação […]

Read More

EUROPA APOSENTADA

Nesta Europa destroçada, não se conjugam verbos no futuro! O envelhecimento da população europeia deixou há muito de ser uma profecia, é hoje uma desgraçada e sombria realidade! As consequências deste vertiginoso processo são desastrosas, ameaçam de morte o presente e inibem os mais pueris desenhos de futuro. A paisagem humana, destas terras aposentadas, veste-se […]

Read More

Mamoudou Gassama

Para merecer cidadania francesa já não basta Ser Humano, é preciso ser Super-Herói! A bravura destemida de Mamoudou Gassama, colocada ao serviço do salvamento de uma criança suspensa numa varanda, é de felicitar até que se acabem as palavras! Tal acto de cuidado e preocupação com a vida de seu semelhante é de uma nobreza […]

Read More

A PORCA DECADÊNCIA DAS MISERÁVEIS ELITES CONTEMPORÂNEAS

[“não sei”, “não me lembro” ou “ não guardo memória” são os depoimentos que mais se ouviram nesses dias sujos] A coragem estóica dos resistentes abnegados, que lutaram árdua, penosa e longamente pela libertação do chão lusitano da tirania, da opressão e da bufaria-mesquinha a que estava sujeito, é uma herança coletiva que muitos resolveram […]

Read More

A Menina do Pai

tó, diminutivo afetivo, destronou à nascença o nome de baptismo [estimada herança de família] Antónia era palavra demasiado adulta  para ser nome de miúda. tó,  dizia Joaquim, o Pai ora com uma firmeza avassaladora ora com uma candura derretida, a miúda, do Pai  habituou-se a ser anunciada de forma emotiva preciosas tatuagens sensoriais, conservo no […]

Read More

Fala escrita em cima da Fraga

Fala escrita em cima da Fraga [parte primeira] Gosto de tatear o mundo, de-vagar, com a palma das mãos e com a planta dos pés, encontro nesta minha predileção, desde sempre assumida com apaixonada veemência, forma de colher um imenso património sensorial – energia vital, que atribui plasticidade às recordações e textura às memórias. Acomodo […]

Read More

onde estás abril?

Esta é a tua morada Mas não te encontro Onde te escondes ABRIL? Em que lugar Te perdeste? Em que sórdidos enredos Te deixaste entorpecer? Parte de mim vacila ante o trágico homicídio dos teus projetos de democracia, mas não hesito, continuo a viagem, sigo com tenacidade e coragem, não há obstáculos que me façam […]

Read More

Nha Bindi [a minha binde]

Nha bindi e spasu/lugar abertu undi nu ta partilha /mostra e nu ta da oportunidade di ten txeu conhecimento di tudu sobri bindi, ki ta usadu na kuzinha de kabu verdi pa fazi kuskuz di midju. [Versão em Caboverdiano de Iliane Moreira] [O Meu Binde] é um projeto que propõe a criação de um espaço aberto […]

Read More

Liquidação Total [os vendilhões do templo]

  Parte I A cidade do Porto, à semelhança do que sucede noutras urbes do dito mundo globalizado, encontra-se sitiada, sob o jugo de um maquiavélico plano de ocupação, que visa a sua total rendição aos caprichos do poder capital. Esse processo de liquidação, meticulosamente traçado, por entidades públicas e privadas, tem alcançado sem oposição […]

Read More

Anotações ilustradas, d’après “Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências”

“A versão abreviada do mundo foi tornada possível por uma concepção do tempo presente que o reduz a um instante fugaz entre o que já não é o que ainda não é. Com isto, o que é considerado contemporâneo é uma parte extremamente reduzida do simultâneo. O olhar que vê uma pessoa cultivar a terra […]

Read More

Conversar – a sério!

a fala escrita não tem pretensão de ser género ou estilo, nada tem de literário. a fala escrita é registo, simples de vocábulos afoitos, impossíveis de deter ou arrumar num canto do pensamento, indomáveis, clamam mergulhar na volúpia de uma conversa – a sério. palavras inquietas, avessas a condicionamentos, amam de paixão a fala eloquente, […]

Read More

Ser Povo é ser mais alto do que o poeta

44 anos É a idade do povo que nasceu no ano da liberdade, É a minha idade! Ser Povo é ser mais alto do que o poeta  Ser Povo é ser capaz de manuscrever, com cuidada caligrafia, uma genial cantiga de revolução! Ser povo é ter condição anónima tatuada, à força, no rosto é ter […]

Read More

Pé na Txom [Palácio da Cultura Ildo Lobo, 3 de abril 2018]

3 de abril de 2018, Palácio da Cultura Ildo Lobo “Pé no Txom” do terraço, varanda ampla miradouro aberto sobre a cidade, lugar privilegiado para alcançar céu, terra e mar. o fim de tarde vestiu-se de esplendor, o céu exibiu toda a sua magnificência, fez dissipar brumas e nevoeiros, fez implodir tramas fúteis e enredos […]

Read More

Fé, cooperação, exploração?

O espanto é uma qualidade do que é espantoso ou do que causa assombro; é pasmo pode também ser medo, um terrível susto, ou qualidade do que provoca admiração espanto é acontecimento inesperado, surpreendente momento ou revelação! Espanto é sentimento raro em sério risco de extinção! São inúmeros os fenómenos, que se abatem diariamente e […]

Read More

Há um período de vida que passa veloz!

Fala escrita, a propósito do lapso de tempo em que se inscreve a possibilidade de desenhar uma vida livre e colorida! Há um período da vida, curto, que passa, veloz, entre um desenho livre e uma transcrição adestrada, Há um período da vida fugaz, em que a vontade de riscar, é maior do que qualquer […]

Read More

Não gosto de paisagens postais!

linha de tempo, escrevinhada com caneta de feltro, de sucupira até somada! [registos gráficos em deslocação, serpenteando as curvas humanas da paisagem] Não me agradam os postais Não aprecio a paisagem muda que guardam Não gosto de imagens sem cheiro! Não gosto de retalhos! Gosto de mergulhar os pés na água Gosto de me entrelaçar […]

Read More

Impermanência geográfica induzida, ao serviço da implosão [espetacular] da sociedade civil!

Impermanências Geográficas No final dos anos oitenta e início dos anos noventa, os acontecimentos políticos conduziram a uma desintegração da ordem mundial (…) A ordem anteriormente vigente está a ser substituída por tendências de globalização, com efeitos em todo o mundo, causando o surgimento de novas cartografias mentais e assim exigindo sistemas de coordenadas radicalmente […]

Read More

Palavras escritas em voz alta!

Privatizaram as estantes de sol na Cidade Alta privatizaram o mar, o céu e as estrelas e o povo angolano entrou na escuridão mercadológica a morder os frutos da zunga e a fugir porrada da polícia com uma mão na frente e outra atrás do sonho que privatizaram. (“Privatizaram os Monumentos”, José Luís Mendonça) Fala […]

Read More

Escola da Ponte, 41 anos após a sua criação, permanece exemplar único do ensino público em Portugal!

Escola da Ponte, 41 anos após a sua criação, permanece exemplar único do ensino público em Portugal! “É uma escola reconhecida mundialmente pelo seu projecto inovador, pois desde 1977 que o lema desta escola é “tentar fazer crianças felizes” e baseia-se na autonomia dos alunos e professores, assim como, rompe o sistema padrão de seriação/ciclos […]

Read More

People are not invisible [art can make them glow]

  O projeto People are not invisible [art can make them glow] surge num contexto de criação muito particular, com o qual se pretende afirmar as potencialidades da expressão artística, na atribuição de visualidade estética a episódios e personagens do quotidiano, que normalmente não são notados! É também objetivo deste projeto, devolver às pessoas e aos […]

Read More

Pé na txom [é dia de voltar ao Tarrafal]

Pé na Txom [dia de voltar ao Tarrafal] Ilha, Santiago, rochedo isolado, pedaço de terra enxuta, cercado de gente por todo lado! Lugar de morfologia inquieta, desenhado pelas diversas ínsulas que tem dentro. Tem fogueira para cozinhar ao ar livre, tem wi-fi para falar com a família, tem casas de betão, tem albergues precários erguidos […]

Read More