Category: apontamentos do avesso

Impermanência geográfica induzida, ao serviço da implosão [espetacular] da sociedade civil!

Impermanências Geográficas No final dos anos oitenta e início dos anos noventa, os acontecimentos políticos conduziram a uma desintegração da ordem mundial (…) A ordem anteriormente vigente está a ser substituída por tendências de globalização, com efeitos em todo o mundo, causando o surgimento de novas cartografias mentais e assim exigindo sistemas de coordenadas radicalmente […]

Read More

Palavras escritas em voz alta!

Privatizaram as estantes de sol na Cidade Alta privatizaram o mar, o céu e as estrelas e o povo angolano entrou na escuridão mercadológica a morder os frutos da zunga e a fugir porrada da polícia com uma mão na frente e outra atrás do sonho que privatizaram. (“Privatizaram os Monumentos”, José Luís Mendonça) Fala […]

Read More

Ilha – residência artística em trânsito

Projeto artístico que andou de lugar em lugar e se estendeu em terra plana, árida, talhada pela quentura do sol. Cruzando lugares, combinando geografias, apreciando o sol e o calor ardente que animou e fez bulir, devagarinho, os pés! Navegando entre grafias e tratados, sob sol tórrido em chão escaldante, fez-se o caminho para chegar […]

Read More

Ilha – residência artística em trânsito

Na mala de pano estrangeiro, as ferramentas e os materiais Tenho comigo os lápis, trouxe o azul esmeralda, o verde água, os ocres, os amarelos e também os vermelhos. Tenho a caneta preta fina, o pincel largo, os lápis 4,5 e 6 B, a borracha e os marcadores de feltro. Tenho comigo os papéis mais […]

Read More

Escola Artística Soares dos Reis – a educação artística ainda mora aqui?

Para uma reflexão sobre a Escola Artística Soares dos Reis [parte I] A longa história, de 132 anos da Escola Artística Soares dos Reis (EASR), confere-lhe um estatuto muito particular, pelo que seria de esperar que tivesse hoje um papel crucial na reflexão e orientação da Educação Artística, tutelada pelo Ministério da Educação, contribuindo de […]

Read More

Estórias de vida

Histórias de Vida – Exposição de Fotografia O projeto de fotografia a “Histórias de vida” teve como motivação fundamental envolver os jovens alunos na compreensão, através da experimentação, dos processos inerentes à criação artística, desde que surge a vontade íntima e individual de criar até à apresentação pública do trabalho produzido. A evolução tecnológica tem permitido […]

Read More

Onde estás 25 de Abril?

Esta é a tua morada Mas não te encontro Onde te escondes ABRIL? Em que lugar Te perdeste? Em que sórdidos enredos Te deixaste entorpecer? Parte de mim vacila ante o trágico homicídio dos teus projetos de democracia, mas não hesito, continuo a viagem, sigo com tenacidade e coragem, não há obstáculos que me façam […]

Read More

danados projetos

a prática artística acontece, não necessita de autorização ou carta de alforria. danados projetos, como é valente a curadoria do povo, como é ilustre o patrocínio da sua entrega desprendida. inesquecível o conforto do abrigo, abraço quente e genuíno, arrojada a coragem da instituição dos que ousam dar a mão. ato supremo de liberdade! arte […]

Read More

Prova de Vida

Prova de vida 25 de janeiro de 2016, 10h11 dia seguinte à eleição de Marcelo para Presidente da República embaixada portuguesa em Cabo Verde, sala de espera achada de santo antónio cidade da Praia Santiago De novo na Embaixada, ontem vim cá para votar, hoje venho para certificar papéis e contratos. Encontro uma quantidade considerável […]

Read More

In.sol.ven.te

Que ou a pessoa que não tem com que pagar o que deve. Vidas insolventes derramadas nos “classificados” do jornal, tragédias individuais meticulosamente talhadas, simples detalhes de uma ambiciosa agenda de transformação social, é a crise senhores, é a crise! Estas “vidas” de onde se eclipsou o poder financeiro para pagarem o que devem, são […]

Read More

economia bidão [qualquer lugar se faz mercado]

economia bidon cabe tudo dentro de um bidon amarfanhando, enrolando, amachucando, ajeitando até atingir o vácuo amontoam-se vestígios de identidades várias prontos a usar para remendar outros cenários no bidon cabem os despojos de vidas que se expõem na soleira dos mercados sangue azul, doses vitais alimentam sucessivas fragilidades materiais etiquetas agarradas a peças jamais […]

Read More

ao vento, pendurada numa oliveira

grafias de vento em paisagem alentejana

Read More

um dia, essa suave tristeza dará lugar a uma esperança acesa, um dia, hoje não, talvez noutro dia!

um dia, acredita essa espécie de gente empedernida que sim, certamente um dia um dia tudo será diferente, um dia, será dia de cumprir as promessas um dia as vinganças prometidas tomarão o seu lugar entretanto, um, dois, três e muitos outros dias se fazem instalar fica longe, demasiado longe para voltar lá, onde essa […]

Read More

tempo de contemplar a destruição empenhada

de novo num lugar de passagem, estação efémera, entre caminhos desenho outras viagens. contemplo a população local, rapidamente confirmo, são efetivamente resultado de uma seleção natural, nos lugares assim, outrora dedicados à coisa pública, foram-se operando transformações horrendas, a obra criada pelas mãos de muitos, para ser e servir a todos, foi sendo tomada, adulterada, moldada […]

Read More

lugar achado pelo medo

“O Território do medo, Cidade Velha (ilha de Santiago) foi um dos espaços de passagem das oficinas de mapeamento coletivo, primeira cidade construída pelos europeus nos trópicos e primeira capital do arquipélago de Cabo Verde. Um lugar repleto de vestígios de uma pesada herança, onde o medo se faz presente e paira sobre as perspetivas […]

Read More

o lugar dos avessos

Lugar comum. Gente comum. Senso além do comum. Existe conforto nos lugares de sempre, nos rostos frequentes, nos dias que se sucedem iguais, no fluir do tempo sem novidade. Pela manutenção dos dias comuns há que agarrar forte, com as duas mãos, as regularidades do quotidiano, fincar os pés em terra usada, negar sempre o prazer […]

Read More

casa (sem) povo

“Através do isolamento do sujeito do rendimento, explorador de si próprio, não se forma qualquer nós político com capacidade de ação comum (…) Aquele que fracassa na sociedade neoliberal do rendimento responsabiliza-se a si próprio e envergonha-se, em vez de por em questão a sociedade ou o sistema.” “No regime neoliberal de auto-exploração, cada um […]

Read More

li.ber.da.des

ousadia. franqueza. licença. desassombro. demasiada familiaridade. Durante um tempo, quase eterno, acumularam-se layers de medos diversos Medo do vizinho, medo do amigo, medo do moço da esquina, medo do barbeiro, medo da senhora do peixe, medo do professor, medo do doutor, medo imenso dos ativos servos do senhor que ditava os destinos. Medos mesquinhos alimentaram […]

Read More

o português já não me chega, preciso aprender crioulo

encontros, achados, deslumbrados, lugares apressados, habitados até às raízes exuberantes, lotados de vida, consumida por ausências intermináveis, saudades indeléveis, firmam a inscrição, definem o gesto, uma, outra, qualquer privação se ocupará do resto. nos rostos a emotividade contida,no corpo a sensibilidade adiada, estou aqui, não me vês? células individuais cerradas evitam, atrasam a eclosão, inibem […]

Read More

qualquer lugar se faz mercado

Roupa crescida, roupa miúda, roupa para o luto, roupa de festa, roupa ousada, roupa tímida, roupa privada, ali no regaço das árvores, ali ao virar da esquina, na rua cruzada, na soleira da entrada, ali no largo renovado. Qualquer lugar se faz praça, lá se estende a montra e se acumulam as peças que hão-de […]

Read More

linhas soltas, do avesso

as ruas estão vestidas de paredes do avesso, consumidas de sol, riscadas de vento. as portas entreabertas baralham os sentidos, dentro está apenas o que não cabe cá fora. corredores fundos atravessam a morada, de um lado os quartos, do outro as salas. planta simples, lugar comum, onde corre a brisa dos afectos. telhados rasos, […]

Read More