o lugar dos avessos

Lugar comum. Gente comum. Senso além do comum. Existe conforto nos lugares de sempre, nos rostos frequentes, nos dias que se sucedem iguais, no fluir do tempo sem novidade. Pela manutenção dos dias comuns há que agarrar forte, com as duas mãos, as regularidades do quotidiano, fincar os pés em terra usada, negar sempre o prazer […]

Read More

a prova do senhor Lucindo

prova de vida, uma vez por ano, lá no átrio da embaixada (in progress)

Read More

casa (sem) povo

“Através do isolamento do sujeito do rendimento, explorador de si próprio, não se forma qualquer nós político com capacidade de ação comum (…) Aquele que fracassa na sociedade neoliberal do rendimento responsabiliza-se a si próprio e envergonha-se, em vez de por em questão a sociedade ou o sistema.” “No regime neoliberal de auto-exploração, cada um […]

Read More

li.ber.da.des

ousadia. franqueza. licença. desassombro. demasiada familiaridade. Durante um tempo, quase eterno, acumularam-se layers de medos diversos Medo do vizinho, medo do amigo, medo do moço da esquina, medo do barbeiro, medo da senhora do peixe, medo do professor, medo do doutor, medo imenso dos ativos servos do senhor que ditava os destinos. Medos mesquinhos alimentaram […]

Read More

o português já não me chega, preciso aprender crioulo

encontros, achados, deslumbrados, lugares apressados, habitados até às raízes exuberantes, lotados de vida, consumida por ausências intermináveis, saudades indeléveis, firmam a inscrição, definem o gesto, uma, outra, qualquer privação se ocupará do resto. nos rostos a emotividade contida,no corpo a sensibilidade adiada, estou aqui, não me vês? células individuais cerradas evitam, atrasam a eclosão, inibem […]

Read More

ao vento, pendurada numa oliveira

Exercícios gráficos realizados à sombra de uma oliveira.

Read More

espirro de pó

al deia paisagem livre, ampla, esteticamente generosa nua, em pele, carne e osso, deixa-se mirar o encanto dói, entranha-se demoro-me por aí aguardo, anseio pelo calor tórrido espero que venha capaz de derreter a borracha dos meus chinelos ficar, perceber, inscrever, ler as estórias fitar as memórias, revolver a terra, esfolar os dedos levantar a […]

Read More

Mood

mood of the day inside? outside? or just stuck in mainstream visibility? i’d rather the joy of being free and invisible

Read More

qualquer lugar se faz mercado

Roupa crescida, roupa miúda, roupa para o luto, roupa de festa, roupa ousada, roupa tímida, roupa privada, ali no regaço das árvores, ali ao virar da esquina, na rua cruzada, na soleira da entrada, ali no largo renovado. Qualquer lugar se faz praça, lá se estende a montra e se acumulam as peças que hão-de […]

Read More

linhas soltas, do avesso

as ruas estão vestidas de paredes do avesso, consumidas de sol, riscadas de vento. as portas entreabertas baralham os sentidos, dentro está apenas o que não cabe cá fora. corredores fundos atravessam a morada, de um lado os quartos, do outro as salas. planta simples, lugar comum, onde corre a brisa dos afectos. telhados rasos, […]

Read More

de chinelos

dia 4 de janeiro de um ano recém estreado, na rua outra vez, de chinelos e tudo está onde sempre esteve, nada parece realmente novo. aproxima-se o transporte, aquele autocarro que seguirá em agitado diálogo com as curvas e as rugas da estrada. balançar, agarrar, suster, prender, equilibrar, ajeitar, empurrar e encaixar até sair ou […]

Read More

um dia, lá, onde acabam as palavras, acharei forma de partilhar o que vi do mundo

lugares repletos de pessoas esquecidas de si, sem tempo para ver o outro; lugares consumidos pela tragédia de hojes despidos de ambição de amanhãs. gente muita gente, muito chão caminhado, passos firmes, amortecidos pela simplicidade eficaz de um par de chinelos de borracha, usada, gasta, moldada pela vertigem dos caminhos. a rua onde todos nos […]

Read More